Familia: Agaricaceae;

Subespécies:

  • Amanita Muscaria Alba : É completamente branco e foi encontrado primeiramente em Idaho;
  • Amanita Muscaria Aureola: Muito raro
  • Amanita Muscaria Formosa: Tem uma capa amarela

Nomes Populares: Ágario das Moscas, Mata moscas;

História:  Não há dúvidas sobre o Cogumelo Amanita Muscaria ser associado com o xamanismo.Durante as últimas décadas se tornou claro que o cogumelo foi e é usado ao redor do planeta. Apesar dos esforços que foram feitos para provar que a teoria de Wasson sobre o agário das moscas ser o renomado soma dos Vedas, continua sendo inconfirmada, assim como a questão de se o Agário das Moscas é a Árvore do Conhecimento, conhecida como THE TREE OF KNOWLEDGE. O mito de que o cogumelo foi usado como meio secreto para atingir os estados de iluminação dos Monges Budistas ainda continua sendo especulado.Além disso, é incerto ainda quando o cogumelo foi usado pela primeira vez com um propósito xamânico. Contudo, foi possível comprovar que o cogumelo teve uma importância xamânica para as regiões Germanicas.É possível que o uso ritual do cogumelo tenha sido usado pelo povo pré-histórico Beaker, que usavam as Stonehenge como um local para o ritual.

O uso xamânico do agário das moscas na Sibéria só foi descoberto no século 18, foi sugerido que o uso estava enraizado com as Stone Age e que foi usado pela Europa. Wasson sugeriu que o cogumelo e seus efeitos eram bem conhecidos e o seu uso xamânico era comum pela Ásia.Quando os paleoindias migraram para a América do Norte, trouxeram consigo o culto do agário das moscas, contudo, com a abundância do psilocibe spp, que é mais tolerável e produz visões mais fortes, o culto foi ligeiramente esquecido.

Em seu livro intitulado “The Sacred Mushroom and the Cross”, John Allegro, um antigo Jesuita que aparentemente teve acesso a algumas escrituras antigas que são preservadas no Vaticano, mas inacessível ao público, lançou a teoria de que Jesus na verdade era um Cogumelo Amanita Muscaria e o até então chamado original Cristianismo era na verdade um culto secreto ao cogumelo Amanita. O Cogumelo era o corpo de cristo que era consumido na refeição noturna -um círculo de culto noturno- junto com o sangue de cristo, vinho vermelho. Se Allegro estiver correto, então o original Cristianismo pode ter sido uma continuação direta com o Culto de Dionísio, no qual os participantes consumiam vinho que continham cogumelos. Ruck supõe que o Amanita Muscaria tenha sido o Enteógeno mais usado na cultura Grega, que ao passar do tempo, foi sendo substituido por outras substâncias. O pinus era considerado sagrado para as pessoas que cultuavam Dionísio por serem as àrvores em que os sagrados cogumelos viviam em uma relação simbiótica. O nome fungus Muscarius apareceu pela primeira vez em 1956, no trabalho “De Vegetabilibus”, escrito pelo monge Albertus Magnus. Uma das mais velhas fontes  que mencionam o cogumelo pelo nome é um trabalho do Médico Johannes Hartilieb, publicado em 1940:

“Há alguns fungos que são impuros, com a casca larga, grossa e vermelha, que contém pontos brancos no topo, quando misturados com leite, consegue matar as moscas ao redor, por isso é conhecido como “fly fungi”, muscinery, em latim.”

Depois disso, o Amanita foi mencionado apenas algumas vezes como veneno para moscas, mas nunca como um causador de efeitos psicoativos. Esses efeitos psicoativos foram apenas descritos em tempos modernos por viajantes que foram para a Sibéria. Por volta de 1880 durante em periodo de escassez de vinho, um médico Italiano sugeriu à população de que o Agário das Moscas era um inebriante.

Em algumas àreas, o Amanita é comido como comida, nas regiões perto de Hamburg, no qual possui muitos Amanitas, se remove a capa vermelha e faz-se sopa. Em alguns vales Alpinos, amanitas frescos são cortados em pedaços e servidos como aperitivo com vinagre, óleo, sal e pimenta. No japão, o cogumelo Amanita é uma das especialidades da população rural. Na Russia, é adicionado com Vodka para aumentar os seus efeitos.

Distruibuição: O Cogumelo Amanita Muscaria cresce somente em simbiose com as àrvores  Betula ou Pinus, em climas tropicais como no Brasil, cresce somente no inverno. Às vezes cresce em círculos.

Cultivo: Até a data, tentativas de cultivar o Amanita Muscaria foram fracassadas e não há relatos de quem já tenha conseguido.

Aparência: O micélio é branco, o corpo frutificado pode crescer até 25 cm e forma-se uma capa larga que pode atingir até 20 cm de diametro. Seu topo é vermelho com pontos brancos. É comumente confundido com Amanita regalis e Amanita Pantherina, quando está em um estado de crescimento pode ser confundido com o Puffballs.

Material Psicoativo: Corpo Frutificado (fungus muscarius)

Preparo e dosagem: O corpo frutificado pode ser usado tanto fresco como seco. Quando o cogumelo é usado para a culinária, costuma-se colocar em molho com água gelada por pelo menos uma hora antes de prepara-lo, para dissolver as substâncias ativas. A água gelada pode ser bebida para produzir efeitos psicoativos. Pode ser colocado em uma garrafa de vodka, após uma semana, estará pronto para o uso. Após, um copo já é o suficiente para o efeito psicoativo.Cogumelos frescos podem ser refogados com manteiga e comidos

A dosagem recomendada para a primeira experiência com os cogumelos secos é a ingestão  de 1 a 5 gramas, podendo ser aumentada gradativamente em experiências posteriores de acordo com a sensibilidade de cada usuário. A tabela a seguir pode ser usada como guia: 

1g – 8 gramas de chapéus secos – dose leve/média

8 – 15 gramas de chapéus secos – dose média/forte

Acima de 15 gramas de chapéus secos – dose forte

Os cogumelos variam em potência, sendo por vezes eficazes e outras vezes não.

Para secar os cogumelos, coloque eles no sol ou em um forno em baixa temperatura, em 30, 40º. O resultado já seco, pode ser fumado, sozinho ou em blends. Pode ser adicionado à alguns drinks, como cerveja ou vinho ou simplesmente comido como eles estarão.

Efeitos cinestésicos típicos com sensações afrodisíacas, pode ser sentidas em misturas que incluem Hyoscyamus niger, Datura Stramonium e Cannabis Indica.

Na Sibéria, o Amanita Muscaria seco é misturado para consumo com Vaccinium Uliginosum ou Epilobium Angustifolioum. A mistura também é usada diluida em água, fermenta-se e produz um tipo de cerveja de agário. A urina de quem é inebriado com o cogumelo também pode ser bebida.Também é possível beber a água da chuva que esteja no cogumelo quando ele estiver com o chapéu aberto e tiver formato de “tigela”, é essencialmente uma extração na água fria e tem efeitos psicoativo distintos, esse extrato natural é chamado de “dwarves wine” (bauer 1995)

Há boatos de que o cogumelo tenha sido ingrediente de pomodas feita por bruxas.

O Amanita Muscaria não é tão efetivo quando consumido fresco, o material fresco pode produzir sensações de naúseas. O efeito da dosagem é extremamente individual e variavel, mais do que qualquer enteógeno. Aprecie com cuidado!

Uso Ritual: Os xamãs da Sibéria comem Amanitas secos para entrarem em um estado de clarividência e movimentar o seus poderes xamânicos de cura. De acordo com a tradição Koryak, o Amanita cresce da sáliva do Deus supremo, por essa razão, é tida como uma planta sagrada. Os xamãs ingerem o cogumelo principalmente quando querem se comunicar com os espiritos de seus ancestrais ou para contatar outros espiritos, quando um recem nascido vai receber um nome, para encontrar uma maneira de enfrentar situações, para ver o futuro e para voltar para o passado, para estar apto para a jornada que tem para caminhar, ou para ir para outros mundos. Para os Khanty (povo da Sibéria) os xamãs que estão em treinamento são testados com alta dosagem do cogumelo para ver se eles conseguem domina-lo e para ver se são fortes o suficiente para os seus futuros cargos.Na Sibéria, o Amanita é consumido fresco, cozido e seco.

Agora, o Agário das Moscas é usado para um sacramento psicoativo.

Uma família celta, descreveu o uso tradicional que eles continuam praticando nos feriados Celtas:

“Para o feriado, apenas nessa noite, nós preparamos um chá de Amanita Muscaria de acordo com a receita da minha Avó: Na lua cheia, o chefe da familia vai para a floresta e procura por algumas Amanitas e pega apenas aqueles na qual ele estabeleceu contato. Os cogumelos saudáveis, aqueles que não foram comidos por bichos e nem infestados por insetos são colocados numa cesta.No lugar em que colhemos os cogumelos costumamos deixar um pouco de Tabaco e uma maçã, como oferenda. Depois disso, o chapéu vermelho é cortado e seco imediatamente. Durante a noite uma extração com àgua gelada é feita e todos os membros da familia bebem antes de irem dormir. Na manhã seguinte, os sonhos são descritos e interpretados pela familia.”

Uso Medicinal:  Na sibéria, era ingerido para tratar estados psicológicos e fisicos de exaustão. Uma extração feita com àgua gelada do corpo seco do cogumelo era usado para fazer massagem em alguma àrea afetada do corpo, normalmente na perna e era conhecido por neutralizar as toxinas.

No século 19, o Amanita era usado como um remédio caseiro e era também prescrito pelos médicos como uma medicina.Era usado internamente, por exemplo, para curar epilepsia, febre e úlceras:

” O nome oficial é fungus muscaria. Apenas a parte de baixo do cogumelo é usada, o agário das moscas em pó (para isso é necessário ser desidratado o mais rapido possivel sem destrui-lo), é administrado internamente (com cuidado) em pequenas doses (10 a 30 gramas) contra doenças, etc e externamente é borrifado contra tumores, grangrenas, etc. Uma tintura é administrada para tratar erupções persistentes.”

Na homeopatia, o preparado de Amanita é usado para queixas do sistema nervoso. Dependendo do caso, é usado em diluições homeopáticas contra sintomas para Menopausa, problemas na bexiga e constipação intestinal.Um médico que frequentemente receitava a tintura em sua pratica, relata:

Uma porção (15-25%) dos pacientes que eu tratei com o Amanita tiveram seus sonhos alterados durante ou depois da terapia. Especialmente sonhos em que estavam voando com positivas respostas, sonhos que pareciam vir de Alice no País das Maravilhas e outras experiências de sonhos prazerosos. Em nenhum caso pesadelos aconteceram e a maioria pensam que a dosagem usada na terapida é pequena. Mesmo com doses altas, no dia seguinte os pacientes se encontravam bem e demonstraram uma forte energia para o trabalho, sem efeitos negativos ou sintomas de ressaca.Após a prescrição do Amanita, todos os pacientes exibiram uma motivação, uma melhora no humor e uma sensação mental e fisica de bem estar.Mais uma vez, é a dosagem que determina se algo é venenoso ou não! (Waldschmidt 1992, 67)

Constituentes: Os cogumelos frescos possuem pouca quantidade de Muscimol, responsável pelo efeito psicoativo, e uma porcentagem alta de acido ibotenico. No processo de desidratar o cogumelo, o ácido ibotenico se converte em Muscimol, tornando assim, o cogumelo mais potente.

Efeitos: Em geral, os sintomas, incluem sensação de estar entre o sonho e acordado, alucinações, delirios.Algumas pessoas relatam sensação de naúseas e muito sono. Os efeitos visionários acontecem depois de acordar e podem durar por horas. Relatos de visões de gigantes em um mundo de anões é comum. Os efeitos são mais sutis quando fumado  e é relatado primeiro como uma percepção maior das coisas e uma sensibilidade muscular.

Fontes: The Encyclopedia of Psychoative 

Mais informações: https://www.erowid.org/plants/amanitas/amanitas.shtml